Delícias da minha infância

Tive a felicidade de viver os últimos 30 anos do século XX, talvez os mais legais de toda a história da humanidade, fiquei ansioso pela chegada do ano 2000, vi nascer o computador pessoal, o Walkman, o telex, o CD, o DVD, vi o fim do vinil e das fitas K7, meu primeiro carro foi um Fusca, andei de Mobilete e de Caloi 10, mas aprendi a pedalar numa Caloi Berlineta Dobrável, quando criança sonhei em ganhar uma pista de carrinhos TCR da Troll, muito melhor que Autorama, meu primeiro videogame foi um Telejogo Philco. Tantas marcas que ficaram para sempre na memória, a maioria desaparecida e desconhecida da garotada do novo milênio que cresceu habituada a ver “made in China” em tudo que chega às suas mãos.

Mas a idéia é lembrar de guloseimas, daquelas delícias que ficaram registradas na memória afetiva. Hummmm…

Chocolates Lacta – Existem até hoje, Diamante Negro e Laka, o sabor é o mesmo, mas antigamente as barras eram fininhas, embrulhadas em lindas embalagens dobradas, por fora um lindo papel preto e prateado no caso do Diamante Negro, por dentro a barra que era cuidadosamente embalada num papel manteiga, com uma base de papelão para não quebrar. Era um enorme prazer desembrulhar todo aquele capricho para chegar no delicioso chocolate.

Balas Paulistinha – Humm… Balas fininhas e saborosas, difícil era aguentar ela desaparecer na boca.

Balas em formato de astronauta – Acho que eram fabricadas pela Pan, balas duras e listradinhas com formato de um pequeno astronauta, eram difíceis de encontrar, não lembro muito do sabor, mas chupá-las era uma grande brincadeira.

Balas Juquinha – mastigáveis e deliciosas, com vários sabores, a minha preferida era a tutti-frutti, branca num papel amarelo.

Balas Soft – Balas Soft eram grandes, redondas e muito lisas, perfeitas para matar crianças asfixiadas, pois escorregavam com facilidade para a traquéia. Chupei muitas, tomava cuidado, mas de vez em quando me assustava, nunca me sufoquei, mas conheci muita gente que quase morreu. Eram deliciosas, vários sabores e cores, lindas.

Balas Chu-Cola – O melhor sabor da Coca-Cola em formato de bala, chegava a imaginar o gás do refrigerante quando tinha uma na boca.

Balas de Leite Kids – A melhor bala que há, quando o baleiro parar – Redondinhas, com rebarbas e deliciosas, ainda existem, mas ficaram quadradinhas, fabricadas pela Arcor, junto com a Bala de Amendoim e de Hortelã.

Azedinho Doce – Chiclete fininho, numa embalagem quadradinha com algumas unidades embaladas individualmente num papel manteiga. O filete de chiclete era seco e em contato com a boca liberava um sabor azedo e doce ao mesmo tempo, ainda consigo lembrar da sensação do azedinho nas mandíbulas.

Chicletes Mini – Um pacotinho vermelho e rosa com uma boca transparente mostrava o conteúdo cheio de chicletinhos coloridos. Para economizar colocava um pedacinho por vez na boca, mas depois não resistia e virava o pacote, experimentando uma deliciosa sensação de sabores misturados.

Chicletes Ping Pong – O maior barato dos chicletes Ping Pong, fabricados pela Kibon, eram as tatuagens que vinham dentro da embalagem. Uma lambida bem molhada no alto da mão preparava o local para o aplique, depois a figurinha era encostada na pele e pressionada por um belo tapa com a outra mão, alguns minutos segurando apertado e depois tirando para ver o resultado do desenho. Se tivesse muita saliva, o desenho saía borrado, se tivesse pouca ou se o tapa não fosse bem dado, o desenho falhava. Chegava a ter umas 10 tatuagens por dia, mas se saísse do banho com elas ainda marcadas, voltava para o chuveiro com um puxão de orelha. Mais tarde vieram o Futebol Cards Ping Pong, cartões com fotos e informações dos jogadores do campeonato brasileiro, tinha uma pilha gigantesca de cartões que infelizmente desapareceu.

Chicletes Ploc – Eram bons, mas para mim eram uma 2ª opção depois do Ping Pong. Tinha boas figurinhas, mas nunca foi tão gostoso.

Crush, Gini, Grapette, Guaraná Brahma – Até hoje não entendo como esses maravilhosos refrigerantes desapareceram. Sempre foram os meus preferidos, principalmente a Gini, numa linda garrafinha verde com desenhos brancos, sabor limão refrescante, tom esverdeado, bastante gás, muito diferente das sodas limão transparentes que estão aí até hoje. Guaraná Brahma sempre foi para mim melhor que o Antárctica, parece que tinha mais espuma quando colocava no copo, com um sabor delicioso.

Doces Confiança – Doce de Leite, Pé-de-moleque, Gibi, Doce de Amendoim, Doce de Leite com Coco e outros tantos sabores, embalados num celofane transparente dobrado. Eram doces baratos de armazém, deliciosos, meu preferido era o Doce de Amendoim.

Paçoca Amor – Ainda existe, fabricada pela Arcor, com a mesma embalagem e o mesmo sabor, branquinha que quebra fácil e faz uma sujeira danada, mas deliciosa.

Teta de Nega – Maria Mole em formato de teta, coberta com um chocolate vagabundo, ainda existe, um clássico dos doces de boteco, junto com os doces de batata e abóbora em formato de coração.

Drops Dulcora – quadradinhos, coloridos e saborosos, embalados individualmente em celofane transparente. Patrocinador de Speed Racer na TV Tupi, portanto, meu drops preferido.

Drops Kids – O Halls da época, com sabores hortelã, café e aniz. Minha mãe sempre tinha um Drops Kids na bolsa, principalmente os de hortelã e café, não eram meus sabores preferidos, mas quebravam o galho.

Mentex – Ainda existe, com um visual pouco diferente, na famosa caixinha amarela. Bom para dar uma aromatizada na boca antes de entrar no cinema. Para beijar muito.

Chocolate Prestígio – Parecia mais comprido, embalado como um bombom. Por fora um papel celofane vermelho com a parte de cima transparente em alguns trechos do desenho da marca, por dentro um papel dourado cobria a barra. O sabor fresquinho, com recheio molhadinho de coco, coberto com o delicioso chocolate Nestlé. Hoje o recheio parece mais seco, menos gostoso.

Sensação - “Sensação com coco, laranja, morango e limão” – Cantava a atriz da propaganda, anunciando o novo chocolate Nestlé, fantasiada de Carmem Miranda, com o adorno de frutas na cabeça. Não deve ter vendido o suficiente, os sabores desapareceram, da barra de chocolate sobrou só o bombom com recheio de morango na caixa de Especialidades Nestlé.

Surpresa – A barra de chocolate estampada com figuras de bicho e acompanhada de um cartão com lindas impressões virou febre entre os colecionadores. Não entendo o motivo de não ser mais produzida.

Biscoitos à granel – Comprar biscoitos em pacotes fechados é um costume recente, antes os biscoitos eram comprados à granel, disponibilizados em grandes caixas na vendinha. Iam direto para a lata em cima da geladeira, longe do alcance das crianças, para não estragar o apetite do almoço.

Pirulito Zorro – Pirulito quadradinho, chatinho, toffee de caramelo. Não cedia facilmente aos dentes, precisava ser chupado, esticado. Um trabalho bem gostoso.

8 comentários:

Isabel Salete disse...

Viajei no tempo e até me veio à boca o gosto de algumas dessas guloseimas citadas, concordo com você: degustar o Pirulito Zorro era um trabalho muito gostoso! Graças à Deus eu também pude usufruir de todas as coisa boas que os anos 70 e 80 proporcionaram e que hoje são só lembranças resgatadas por pessoas como você. Parabéns pela postagem, bjs!

Serginho disse...

quanta emoção, quanta saudade de ter vivido todos esses anos 1970/80

Anônimo disse...

Puxa...queria tanto uma fotografia dessa bala de astronauta... Alguém tem?

Anônimo disse...

Não conheci essa bala, mas procure no google por astronaut candy.

Guilherme Lamonato Claro disse...

"SENSAÇÃO tem um gostinho de côco, laranja, morango e limão. SENSAÇÃO é diferente. SENSAÇÃO é mais gostoso. SENSAÇÃO é da Nestlé."

lukka disse...

Lembro da bala em formato de astronautas tinha na padaria perto da minha casa um baleiro lotado,vendiamos ,vidro ,alumínio ..e íamos lá comprar ,lembro que era bem dura parecido bala Soft ,já procurei imagens mas não encontrei.

Laliane Sapucahy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Laliane Sapucahy disse...

Quem se lembra tô Queijo Tomatinho da Polenguinho...eu amava.Nao existe nem na net registro dele.